sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

BD EXPERIMENTAL


As formas suavizam-se, as sombras desaparecem, a superfície ganha luz, a linha acentua-se, ganha força, intencionalidade, energia, cor, aproxima-se do vídeo clip, assume uma modernidade nostálgica para logo ser substituída pela agressividade da mancha colorida. Nasce assim a pintura.
Existem, assim, duas fases formais separadas e especificamente diferentes: refiro-me às fases do desenho (com exploração da linha) e da pintura (com realce da forma e da cor). Ambas as fases são inter-activas, existindo um momento em que as duas procuram existir conjuntamente.
O momento de transição processa-se através da BD. À medida que o desenho, a linha colorida, se combina com uma outra superfície colorida, inserindo conjuntamente a forma e a colagem, o sentido pictórico da imagem começa a assumir-se cada vez mais, procurando cada imagem tornar-se independente em relação à outra, apresentando-se como um todo sem necessidade do conjunto das imagens e do texto interligante das imagens para a realização total do contexto. É preciso assinalar que a BD não se apresenta só como um fenómeno de transição desenho / pintura, é a reunião da escrita e da imagem, de dois projectos que se tornam um só, como é mais notoriamente visível em “Produto Acabado”, “A Eternidade”, “Amanhecer Dourado” e “A Entrevista” (sendo esta última baseada num conto do mesmo nome)1.
O processo inicia-se com “Produto Acabado” e conclui-se com “Performance Plástica”2. “Produto Acabado” foi inicialmente concebido como um projecto a preto e branco, situado na fase da colagem (juntamente com “A Eternidade”) e, ao contrário de BDs como “Vicktor Reportagem”, “A Entrevista”, “Amanhecer Dourado”, “Viviane”, “Imagens de uma Galeria de Arte”, “Casaco Dependorado” e “Imagens de um Dragão”, as imagens não estão limitadas. A concepção clássica da vinheta não existe. O texto vive independente da imagem completando o seu sentido: oferece-lhe a dimensão desejada, o movimento do próprio sonho. Cada imagem não procura desenrolar uma história, é uma história, um mundo que o sentido poético do texto interliga.

1.     A Entrevista” (JV22), conjunto de 11 textos realizados em 1986.

2.   “Performance Plástica” foi realizada em Março de 87 no Centro Cultural da Guarda, integrada num projecto AQUILO - Teatro da Guarda.

Produto Acabado, 1986
A Eternidade, 1986
Vicktor Reportagem, 1986
Amanhecer Dourado, 1986
A Entrevista, 1986

Imagens de um Dragão, 1986

Sem comentários:

Enviar um comentário